Declaração de San Francisco sobre Avaliação Responsável (DORA)

A Declaração de San Francisco sobre Avaliação Responsável (DORA) é uma iniciativa que visa reformar o sistema de avaliação acadêmica, especificamente no que diz respeito ao uso do fator de impacto de artigos como medida de avaliação do valor do trabalho de acadêmicos individuais. Ela reconhece as limitações do uso exclusivo de métricas quantitativas na avaliação da pesquisa e defende uma abordagem mais abrangente e responsável.

A avaliação da pesquisa científica é uma parte fundamental do sistema acadêmico, pois influencia a contratação, promoção e financiamento de pesquisadores. No entanto, a maneira como essa avaliação é realizada tem sido criticada por sua ênfase excessiva em métricas como o fator de impacto, que mede a frequência com que os artigos de um determinado periódico são citados em outros artigos. Essa métrica, embora possa servir para determinar a visibilidade de uma revista científica, não deve ser utilizada como um indicador único da qualidade ou relevância de um artigo em particular.

A avaliação baseada principalmente em medidas facilmente quantificáveis, como o fator de impacto, pode levar a uma compreensão limitada da qualidade acadêmica e negligenciar outros aspectos importantes da pesquisa. Isso ocorre porque a qualidade da pesquisa não pode ser totalmente capturada por meio de números e estatísticas. Aspectos como originalidade, inovação, metodologia robusta, impacto social e contribuições significativas para o avanço do conhecimento são igualmente importantes, mas muitas vezes não são adequadamente considerados nas avaliações baseadas em métricas quantitativas.

Essa abordagem restritiva de avaliação pode ter consequências negativas, como a promoção de comportamentos indesejáveis, incluindo a busca por publicações em revistas de alto impacto sem necessariamente garantir a qualidade dos trabalhos. Além disso, ela pode desencorajar pesquisas inovadoras e de longo prazo, que podem não ter impacto imediato, mas que podem levar a avanços significativos em determinada área do conhecimento.

A Declaração de San Francisco propõe uma mudança de paradigma na avaliação acadêmica. Ela defende que a avaliação dos acadêmicos deve ser baseada em critérios mais amplos e holísticos, que levem em consideração uma série de indicadores de qualidade e valor da pesquisa, incluindo integridade científica, colaboração, impacto social, contribuições para a comunidade acadêmica e para a sociedade em geral, bem como habilidades de ensino.

Em vez de solicitar apenas uma lista de publicações e currículo, a abordagem proposta pela DORA é mais “narrativa”. Isso significa que os avaliadores devem questionar por que determinada pesquisa é importante e relevante, e por que o candidato é a pessoa adequada para realizá-la. Essa abordagem permite uma análise mais abrangente e contextualizada do trabalho acadêmico, considerando sua qualidade, originalidade, impacto e contribuições para a área de conhecimento.

É importante reconhecer que a mudança para uma nova cultura de avaliação acadêmica não será instantânea. A DORA reconhece que desaprender as práticas estabelecidas leva tempo e requer esforço por parte de todos os envolvidos no sistema acadêmico, incluindo pesquisadores, instituições de ensino superior, financiadores e agências de avaliação. É um processo que exigirá uma quantidade considerável de tempo, energia e perseverança.

A identificação correta e justa de talentos e pesquisas de qualidade será uma experiência de aprendizado contínuo. É essencial que as mudanças propostas sejam implementadas gradualmente, envolvendo uma ampla colaboração entre as partes interessadas e promovendo a conscientização sobre a importância de uma avaliação mais responsável e abrangente. O objetivo final é promover um ambiente acadêmico que valorize a excelência, a integridade científica e as contribuições significativas para a sociedade.

(Acessos 327)