Comissões de Pós-Graduação e Colegiados de Departamentos devem ser unidos: Uma Análise Crítica

Este texto busca analisar e justificar a presença de comissões de pós-graduação e colegiados de departamentos no contexto acadêmico. A discussão se volta para a relevância atual dessas estruturas, considerando as mudanças no perfil docente e as necessidades contemporâneas de organização acadêmica.

As comissões de pós-graduação e os colegiados de departamentos desempenham um papel crucial nas instituições de ensino superior, influenciando diretamente o desenvolvimento e a qualidade dos programas de pós-graduação. No entanto, questionamentos sobre a necessidade dessas estruturas têm surgido, considerando especialmente as transformações no corpo docente e as demandas contemporâneas na área educacional.

O modelo atual de comissões de pós-graduação e colegiados de departamentos tem suas raízes em um contexto histórico em que a obtenção de um doutorado era uma conquista restrita a poucos professores universitários. Nesse período, a criação desses grupos se justificava como uma resposta à escassez de docentes com qualificação para coordenar os programas de pós-graduação. A estruturação dessas comissões foi uma medida pragmática para lidar com as limitações do cenário educacional da época.

Hoje, observa-se uma mudança significativa no perfil dos professores universitários, particularmente nas universidades públicas. A ampla disponibilidade de docentes com doutorado tornou-se uma realidade, e, portanto, a justificativa original para as comissões de pós-graduação perdeu parte de sua relevância. A disseminação da qualificação acadêmica entre os docentes levanta questionamentos sobre a necessidade de manter estruturas concebidas em um contexto em que a titulação de doutorado era uma exceção.

Necessidades Contemporâneas e Adequação do Modelo

Atualmente, as disciplinas de pós-graduação são frequentemente selecionadas sem considerar a profundidade necessária para atender às demandas específicas dos alunos. A proposta de classificação das disciplinas por nível de profundidade e a seleção conforme os cursos e qualificações dos estudantes emerge como uma alternativa viável. Esse modelo personalizado pode otimizar a experiência acadêmica, maximizando o alinhamento entre as disciplinas oferecidas e as necessidades individuais dos alunos. Qual a justificativa para termos disciplinas de graduação e de pós-graduação, para manter feudos? 

Nos Estados Unidos, a classificação de disciplinas por níveis de complexidade geralmente segue um sistema numérico conhecido como “course numbering system” ou “course levels“. Cada número corresponde a um nível específico de dificuldade ou profundidade acadêmica. Vale ressaltar que as convenções podem variar um pouco entre diferentes instituições, mas geralmente seguem padrões semelhantes. Aqui está uma interpretação geral:

  1. Nível 100 (100-199): Cursos de nível introdutório. Projetados para alunos iniciantes ou aqueles que buscam uma introdução geral a uma disciplina. Não requerem conhecimento prévio significativo.
  2. Nível 200 (200-299): Cursos de nível intermediário. Geralmente, esses cursos exigem um conhecimento prévio adquirido nos cursos de nível 100 ou equivalente. Oferecem uma compreensão mais aprofundada do assunto.
  3. Nível 300 (300-399): Cursos de nível avançado. Destinados a alunos que já concluíram cursos de níveis inferiores e que buscam um entendimento mais sofisticado e crítico da disciplina.
  4. Nível 400 (400-499): Cursos de nível sênior ou avançado. Esses cursos são geralmente destinados a alunos em seu último ano de estudos de graduação e exigem um conhecimento substancial da disciplina. É importante observar que, em programas de pós-graduação, a numeração pode continuar com níveis mais avançados, como 500 ou 600 dependendo da política da instituição.

Essa estrutura permite aos alunos progredir de cursos introdutórios para cursos mais avançados à medida que ganham experiência e conhecimento em uma determinada área.

Em síntese, a presença de comissões de pós-graduação e colegiados de departamentos deve ser reavaliada à luz das transformações no cenário educacional. Embora essas estruturas tenham sido essenciais em um contexto histórico específico, a proliferação de professores doutores e as demandas contemporâneas por uma abordagem mais personalizada sugerem a necessidade de repensar o modelo atual. A adaptação às mudanças no perfil docente e a busca por práticas mais alinhadas com as necessidades dos alunos são fundamentais para promover a eficácia e a relevância dos programas de pós-graduação nas universidades modernas.

(Acessos 365)